segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O que é exatamente o tédio? Osho

Um grande fenômeno espiritual. É por isso que os búfalos não ficam entediados; eles parecem perfeitamente felizes e alegres. Apenas o ser humano fica entediado, e no ser humano apenas as pessoas muito talentosas e inteligentes ficam entediadas. As pessoas estúpidas não ficam entediadas; elas estão perfeitamente felizes fazendo o seu trabalho, ganhando dinheiro, aumentando a conta bancária, aumentando o número de filhos, reporduzindo-se, comendo, indo ao cinema, ao restaurante, participando disso daquilo; elas estão desfrutando e não estão entediadas. Essas pessoas são o tipo mais baixo e realmente pertencem ao mundo dos búfalos; elas ainda não são humanas.

Uma pessoa se torna humana quando começa a se sentir entediada. Você pode perceber isto: a criança mais inteligente será a mais entediada, pois nada pode manter o seu interesse por muito tempo. mais cedo ou mais tarde ela se depara com o fato e pergunta: "E agora? O que vem em seguida? Isso está acabado. Vi este brinquedo, o investiguei, o abri, o analisei; agora terminei com ele; o que vem em seguida?" Quando ela entrar na juventude, já estará entediada.
Buda estava completamente entediado. Ele deixou o seu reinado quando tinha apenas vinte e nove anos de idade, no auge de sua juventude. Ele estava completamente entediado de mulheres, de vinho, de riquezas, do reinado, de tudo. Ele viu tudo, passou por tudo e ficou entediado e renunciou ao mundo não porque o mundo estava errado, lembre-se. Tradicionalmente se diz que ele renunciou ao mundo porque o mundo é ruim, mas essa é uma tolice absoluta. Ele renunciou ao mundo porque se entediou dele.
O mundo não é ruim nem bom, Se você for inteligente, ele é um tédio; se você for estúpido, pode seguir em frente; então ele é um carrossel, e você se move de uma sensação a outra. Você fica interessado em trivialidades, fica repetindo e não pode perceber que ontem fez uma coisa, que hoje está fazendo a mesma coisa e fica imaginando fazer de novo a mesma coisa amanhã. Você deve ser realmente pouco inteligente. Como a inteligência pode evitar o tédio? É impossível, pois inteligência é perceber as coisas como elas são.
Buda deixou o mundo por causa do tédio; completamente entediado, ele fugiu do mundo.
E o que ele fez por seis anos, sentado naquelas florestas? Ele estava ficando cada vez mais entediado. O que você pode fazer sentado em uma floresta? Observando sua respeiração, sentindo o abdômem, dia após dia, ano após ano. Buda criou esse tédio até seu ponto culminante, e em uma noite o tédio desapareceu, desapareceu espontaneamente.
Se você alcançar o ponto culminante, vem a mudança de direção. Ela vem! E com essa mudança da maré, a luz entra em seu ser; você fica repleto de alegria; você não é, mas fica repleto de alegria por nenhuma razão. A alegria simplesmente borbulha em seu ser.
A pessoa comum fica alegre por uma razão específica; ela se apaixona por uma nova mulher ou um novo homem e fica alegre. Sua alegria é momentânea; amanhã ela ficará saturada e começará a procurar uma outra companhia. A pessoa comum fica alegre porque comprou um carro novo, mas amanhã terá de procurar um outro carro. Isso segue em frente... e ela nunca percebe o ponto, que sempre fica entediada no final. Faça o que fizer, no final ela fica entediada; todos os atos trazem o tédio. A pessoa inteligente percebe isso e, quanto mais cedo perceber, mais inteligência mostrará ter.
Então o que sobra? Sobra apenas o tédio, e a pessoa precisa meditar sobre ele. Não há como escapar, então penetre nele, percebe onde ele o leva. E, se você puder continuar a entrar nele, ele levará a iluminção.
Apenas o ser humano é capaz de sentir tédio e apenas o ser humano é capaz de se iluminar.

OSHO - Alegria: a felicidade que vem de dentro.

Copyright © 2010 OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Sexo Virgem - Osho

Existe um tipo de sexo que de maneira nenhuma é sexual. O sexo pode ser belo, mas a sexualidade nunca pode ser bela.


O foco deveria ser o amor. Você ama uma pessoa, compartilha o ser dela, compartilha o seu ser com ela, compartilha o espaço. Amor é exatamente isto: criar um espaço entre duas pessoas - um espaço que não pertence a nenhuma, ou pertence a ambas, um pequeno espaço entre duas pessoas onde ambas se encontram, se misturam e se fundem. Esse espaço nada tem a ver com o espaço físico. Ele é simplesmente espiritual. Neste espaço você não é você, e o outro não é o outro. Ambos entram nesse espaço e se encontram.
Existe um tipo de sexo que de maneira nenhuma é sexual. O sexo pode ser belo, mas a sexualidade nunca pode ser bela. Sexualidade significa sexo cerebral - pensar sobre ele, planejá-lo, administrá-lo, manipulá-lo, mas o básico que permanece no fundo da mente é que a pessoa está abordando a outra como um objeto sexual.
Quando a mente nada tem a ver com sexo, então ele é um sexo puro, inocente, um sexo virgem. Esse sexo pode algumas vezes ser mais puro do que o celibato, porque, se um celibatário pensa continuamente em sexo, não se trata de celibato.

Osho, Todos os dia, pág 244. Verus Editora.

Copyright © 2010 OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

Você tem que enfrentar todas as dores que você tem reprimido - You have to face all the pains that you have repressed

O crescimento é doloroso porque você tem evitado mil e uma dores em sua vida. Ao evitar não vai destruí-las — elas vão se acumulando. Você vai engolindo suas dores; elas permanecem em seu sistema. É por isso que o crescimento é doloroso — quando você começa a crescer, quando você decide crescer, você tem que enfrentar todas as dores que você reprimiu. Você não pode simplesmente ignorá-las.


Osho

Growth is painful because you have been avoiding a thousand and onepains in your life. By avoiding you cannot destroy them — they go on accumulating. You go on swallowing your pains; they remain in yoursystem. That’s why growth is painful — when you start growing, whenyou decide to grow, you have to face all the pains that you haverepressed. You cannot just bypass them.

Osho

Copyright © 2010 OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

112 Técnicas de Meditação

video
http://www.youtube.com/watch?v=oeEDKBxkNgM

Um homem pode sorrir mesmo diante da morte? Osho

Osho,
Um homem pode rir mesmo diante da morte?

Narendra,
Depende. Há pessoas que não podem rir nem mesmo quando a vida está derramando toda a sua alegria sobre elas – elas permanecem sérias, obtusas, mortas. As flores continuam se derramando sobre elas; elas não olham para aquelas flores, elas não sentem gratidão. Elas se esqueceram completamente da linguagem da gratidão. Elas se esqueceram de rir.
Mas um homem que está alerta e consciente, um homem que é um homem no verdadeiro sentido – inteiro, centrado, enraizado – rirá diante da morte.
Mansur riu quando estava sendo morto. ele riu tão alto que as pessoas que o estavam matando não puderam conter a curiosidade. Elas perguntaram: “Mansur, o que que é que há? Você ficou louco ou o que? Porque você está rindo?”
Ele disse: “Estou rindo porque vocês estão matando outra pessoa. Este corpo não é Mansur – eu não sou ele. Se vocês pensam que eu cometi um crime ao declarar-me Deus, então, punam-me. Porque vocês estão punindo este corpo? Este pobre corpo não fez nada. Porque vocês estão cortando minhas pernas e minhas mãos? É como punir a casa do homem que cometeu um crime – é pura estupidez. é por isso que eu estou rindo”.
Aquelas pessoas devem ter se sentido muito embaraçadas. E, finalmente, quando elas iam cortar sua língua… – porque Mansur foi morto de maneira mais desumana do que Jesus. Ele foi cortado pedaço por pedaço: suas pernas foram cortadas, depois suas mãos foram cortadas, depois seus olhos foram arrancados, depois o nariz foi cortado, depois a língua foi cortada e depois sua cabeça foi cortada. Nunca, antes ou depois, foi torturado de um modo tão cruel.
Antes de cortarem sua língua, ele riu novamente, olhando para o céu. Eles não puderam conter sua curiosidade novamente, porque, agora, ele não estava olhando para eles, ele estava olhando para o céu. E eles perguntaram: “Você riu de nós, agora você está rindo de quem?”.
Ele disse: “Eu estou rindo de Deus! Estou rindo de Deus, porque eu estou lhe dizendo: `Você não pode me enganar. Mesmo que você venha na forma desses açougueiros, eu o conheço, eu o reconheço, eu o amo, eu o adoro, porque, mesmo nessas mãos que estão me cortando e matando está a sua energia e de ninguém mais. Você veio de belos modos para mim; agora, você veio de um modo cruel, só para me testar… se Mansur pode reconhecê-lo deste modo, ou não.’ Eu estou rindo dele. Estou lhe dizendo: `Eu posso reconhecê-lo em qualquer forma que você venha. Uma vez que o reconheci, eu o reconheci para sempre.’.”

Extraído do livro “Zen, A Transmissão Especial”, de Osho – pgs. 146-147.


OSHO é uma Marca Registrada  - Copyright © 2010 Osho International Foundation

CORAGEM - Aprendendo a Viver Perigosamente, Arriscando-se a Ser Livre


EVENTO REALIZADO DE 5 A 7 DE NOVEMBRO DE 2010
Na Fazenda Vrajabhumi - http://www.gaura.com.br/ Teresópolis, Brazil

Um Workshop com a Visão do Tantra

A maioria de nós vive em uma zona de conforto de uma personalidade condicionada, aparentemente protegida e segura, atrás das falsas personas que nós mostramos a nós mesmos e ao mundo - vivendo na inconsciência da verdadeira face atrás dessas máscaras – que é o SER autêntico - a própria fonte da vida e da alegria de viver.

Ao trazer atenção consciente para os limites de nosso comportamento aprendi...do e controlado e ao medo de ir além desses limites, vai nos permitir abandonar todo o confinamento e a celebrar a liberdade de ser autêntico.

Este é o Caminho do Místico: indo além do Conhecido, além do condicionamento da sociedade inconsciente, das religiões organizadas, ideologias, regimes e política - em direção ao Desconhecido - e se movendo para o espaço do Desconhecível, do misterioso.

Você está pronto para assumir os riscos de abandonar essas máscaras e viver na insegurança, na espontaneidade e totalidade de ser não condicionado?

Neste workshop exploraramos os limites criados por nossas crenças e medos. Através de experimentar com situações de risco e exercícios de consciência tântrica, você será apoiado a sair de sua zona de conforto e se mover profundamente em você mesmo, sem máscaras. O mistério abre suas portas e você é deixado a sós, totalmente original, um espelho puro, refletindo tudo e não se identificando com nada.

Usamos como instrumento o Tarô Tântrico e Taoista. Este sistema usa cartas de tarô, dados, um tabuleiro original de chakras e o IChing, especialmente criado por Goloka para esse tipo de workshop.

Através desta ferramenta, o inconsciente de cada participante começa a revelar tendências e possibilidades que são usadas nas dinâmicas de grupo. Ele ajuda as pessoas a ficarem mais conscientes delas mesmas ao verem, apoiadas por símbolos, o que é preciso ser liberado, expressado ou re-direcionado e realmente podendo explorar isso no momento.

Dê um salto e redescubra sua face verdadeira: a face que é o misterioso em si mesma.

Coragem - Osho

“Aceitar o desafio do desconhecido, apesar de todos os medos é a coragem. Os medos estão lá, mas se você continuar a aceitar o desafio cada vez mais, pouco a pouco, os medos desaparecem. A experiência da alegria que o desconhecido traz, o grande êxtase que começa a acontecer com o desconhecido, faz você forte o bastante, lhe dá uma certa integridade, faz a sua inteligência ficar afiada. Pela primeira vez, você começa a sentir que a vida não é só aborrecida, mas uma aventura. Então, pouco a pouco os medos desaparecem, então você vai estar sempre buscando e procurando por alguma aventura.
Mas, basicamente, a coragem é arriscar o conhecido pelo desconhecido, o familiar pelo não-familiar, o confortável pela árdua peregrinação desconfortável para um destino desconhecido. A pessoa nunca sabe se será capaz de realizá-lo ou não. É um jogo, mas só os jogadores sabem o que a vida é.”
Osho,
Come, Come Yet Again Come
Chapter# 4 You Are the Question

Copyright © 2010      OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Seja a favor do coração - Osho

Toda a estrutura da sociedade é contra o coração. Ela treina a cabeça, disciplina a cabeça, educa a cabeça. Ela negligencia e ignora o coração, por que o coração é um fenômeno perigoso. A cabeça é uma máquina. Máquinas nunca se rebelam, não podem se rebelar - simplesmente seguem ordens. As máquinas são boas nesse sentido, são obedientes; Por isso o Estado, a Igreja, os pais, todo mundo está interessado na cabeça. É conveniente para todos. O coração cria inconveniência, para o status quo, para a ordem estabelecida, para o interesse adquirido.
A cabeça funciona pela lógica. Ela pode ser convencida, pode se tornar cristã, hindu, maometana; pode se tornar comunista, fascista, socialista. Qualquer coisa pode ser feita com a cabeça. Você só precisa de um sistema de educação engenhoso, de uma estratégia ardilosa. Exatamente da mesma maneira como alimentamos os computadores, alimentamos a cabeça. E tudo que você dá de alimento à cabeça, ela vai se repetindo. Ela não consegue fazer uma única coisa nova, nunca é original.
O coração vive por meio do amor, e o amor não pode ser condicionado. Essencialmente, ele é rebelião. Você nunca sabe aonde o amor o levará. Ele é imprevisível, espontâneo, nunca repete o velho, sempre responde ao momento atual. O coração vive no presente, a cabeça vive no passado. Por isso, ela é sempre tradicional, convencional, e ele é sempre revolucionário, rebelde. Mas você só pode ser vitorioso por meio do coração, por meio do amor, não da lógica.
E o milagre é que, quando você se rebela contra a psicologia da multidão e se torna cada vez mais independente, começa a sentir que está se tornando um com o todo, com o universal.

Osho, Meditações para a noite. Verus Editora. pág 145

Copyright © 2010      OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

Para experimentar o divino - Osho

A única preparação necessária para experimentar o divino é deixar a mente de lado. É nisto que consiste a meditação: uma estratégia para parar essa mente constantemente barulhenta, essa mente louca que vai falando e falando, sem motivo algum. Ela é ocupada sem ocupação alguma.
Não estou dizendo que a mente tem que ser destruída. Ela só precisa ser deixada de lado - então, quando você precisar dela, poderá usá-la. É como seu carro, guardado na garagem. Quando você quer usá-lo, pode tirá-lo da garagem e assim ser o mestre.
Mas, normalmente, a situação se torna exatamente oposta: o carro insiste em não entrar na garagem; Ele diz: não vou parar! Ele diz: Você tem que correr junto comigo. E ele continua correndo, 24 horas por dia. Mesmo quando você está dormindo, a mente continua ativa. Geralmente começa na infância e não pára até a hora da morte, a menos que a pessoa comece a entrar em meditação.
Para aqueles poucos que entram em meditação, a mente pára, e de repente eles notam o sol que se escondia por trás das nuvens da mente. Essa percepção da luz suprema, do sol supremo, é conhecimento divino.

Osho, Meditações para a noite. Verus Editora. pág 23

Copyright © 2010      OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

O caminho da inocência - Osho

A verdadeira questão não é a coragem: a verdadeira questão é que o conhecido está morto e o desconhecido está vivo. Apegar-se ao conhecido é apegar-se a um cadáver. Não é preciso coragem para se livrar desse apego; na verdade, é preciso coragem para continuar apegado a um cadáver. Basta ver... Aquilo que é familiar para você, que você viveu - para que serviu? Onde é que levou você? Você ainda não está vazio? Não existe ainda um imenso descontentamento, uma frustração, uma falta de sentido profundo? De alguma forma, você continua dando um jeito, escondendo a verdade e inventando mentiras para permanecer entretido, ocupado.
A questão é esta: ver com clareza que tudo o que você sabe pertence ao passado, já passou. Faz parte de um cemitério. Você quer ficar numa tumba ou quer permanecer vivo? E essa questão não é só de hoje; será a questão de amanhã e de depois de amanhã. E será essa também a questão quando você der seu último suspiro.
O que quer que você saiba, que tenha acumulado - informações, conhecimento, experiência - , no momento em que explorou todas essas coisas, já liquidou com elas. Agora, carregar essas palavras vazias, esse peso morto, é aniquilar sua vida, oprimi-la, impedir que você se torne um ser vivo, exultante - que espera por você a cada minuto.
O homem de entendimento morre a todo instante para o passado e renasce para o futuro. Seu presente é sempre para a transformação, um renascimento, uma ressurreição. Não se trata em hipótese alguma de coragem, isso é a primeira coisa que tem de ser entendida. É uma questão de clareza, de ter uma idéia clara do que é cada coisa.
E, em segundo lugar, sempre que se tratar de fato de uma questão de coragem, saiba que ninguém pode dá-la a você. Não é o tipo de coisa que se possa dar de presente. É algo com que você nasce, mas que não deixou que se firmasse.

OSHO.
Coragem: O prazer de viver perigosamente.
11 Ed. Cultrix: São Paulo,1999. págs 40 e 41.


Copyright © 2010      OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

O Caminho do Coração

A palavra «coragem» é muito interessante. Provém da raiz latina, cor, que quer dizer coração. A palavra coragem provém da raiz cor —cor quer dizer coração—ação colorida, portanto, ser corajoso significa viver com o coração. Os covardes e só os covardes vivem com a cabeça; estão atemorizados, rodeiam-se da segurança da razão. Atemorizados, fecham todas as janelas e as portas e se escondem atrás delas.

O caminho do coração é o caminho da coragem. É viver na insegurança, é viver com amor, com confiança; é entrar no desconhecido. É renunciar ao passado e permitir o futuro. Coragem é entrar por caminhos perigosos. A vida é perigosa, e só os covardes podem evitar o perigo  mas então, já estarão mortos. A pessoa que está viva, realmente viva, vital, sempre se aventurará no desconhecido. Ali encontrará perigos, mas se arriscará. O coração está sempre disposto a arriscar-se, ao coração gosta de apostar. A cabeça é um homem de negócios. A cabeça sempre faz cálculos, é ardilosa. O coração não é calculista.

A palavra inglesa 'courage' é muito bonita, muito interessante. Viver através do coração é descobrir o significado. O poeta vive através do coração e, pouco a pouco, começa a sentir em seu coração os sons do desconhecido. A cabeça não pode escutá-los, está muito longe do desconhecido. A cabeça está cheia do conhecido.

O que é sua mente? É tudo o que conheceste. É o passado, o que morreu, o que se foi. A mente não é mais que passado acumulado, a a memória. O coração é o futuro; o coração é incerteza, o coração sempre está em algum lugar do futuro. A cabeça pensa no passado, o coração sonha com o futuro.

O futuro está por vir. O futuro ainda não existe. O futuro ainda tem possibilidades, chegará e já está chegando. A cada momento, o futuro se converte em presente e o presente se converte em passado. O passado não tem nenhuma oportunidade, já foi utilizado. Já te afastaste dele, extinguiu-se, está morto, é como uma tumba. O futuro é como uma semente; está por vir, está sempre por vir, sempre chega e se encontra com o presente. Está sempre se renovando. O presente não é mais que uma mudança para o futuro. É o passo que já deste; é ir para o futuro.

E eu te digo que o presente está mais perto do futuro do que do passado. É por isso que eu digo que o poeta está mais próximo da religião. Filosofia metafísica, lógica, ciência, teologia, todos pertencem ao passado, ao conhecido, poesia, música, dança, arte - todas as artes - pertencem ao futuro.

Osho,
The Grass Grows by Itself
Chapter#8 A Field Dyed Deep Violet


Copyright © 2010      OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O caminho das nuvens brancas - Osho

O ego é sempre feio. Assim, apenas quando o ego não existe, a pessoa torna-se bonita. É o ego que é espelhado.

E seja o que for que lembre continuamente de que você é feio torna-se seu inimigo - você quer renunciar. Mas é sábio renunciar ao espelho? É tolice. Mesmo que ninguém o espelhe, você continuará o mesmo. Você pode até crescer mais na mesma direção quando ninguém o faz lembrar-se.

O espelho é belo e bom. Ajuda-o E se você ficar alerta, pouco a pouco poderá abandonar o ego. E então no espelho do outro, sua própria beleza será revelada.

Uma vez que você não é nada, apenas uma nuvem branca, então todos os lagos do mundo revelam sua pureza, todos os lagos do mundo revelam seu vôo livre.




Copyright © 2010 Osho International Foundation

O que a meditação irá fazer para solucionar os meus problemas - Osho

Problemas estão todos ao seu redor. Assim, mesmo se você de algum modo acabar com um problema, outro problema surge. E você não pode impedir que problemas surjam. Problemas continuarão a surgir até que você chegue a um profundo entendimento de testemunhar. Esta é a única chave dourada, descoberta no Oriente por séculos de busca interior: de que não há nenhuma necessidade de resolver qualquer problema. Você simplesmente o observa, e a própria observação é suficiente; o problema evapora.

Osho: The Rebellious Spirit, #6

Se você for claro, se puder ver, seus problemas de vida dissolvem-se. Deixe-me lembrar vocês sobre o uso da palavra dissolver. Não estou dizendo que você encontra as respostas, soluções para seus problemas, não. E estou falando somente a respeito dos problemas da vida.

Essa é a coisa mais importante para entender sobre problemas da vida: estes são criados pela sua visão obscura da vida. Então não é que primeiro você os veja claramente, então você encontra a solução e depois tenta aplicar a solução. Não, o processo não é tão longo assim; o processo é muito simples e curto. No momento que você puder ver claramente seu problema, este dissolve-se.

Não é que você agora tenha encontrado uma resposta que irá aplicar e algum dia você conseguirá destruir o problema. O problema existia na sua visão obscura. Você era o criador disso. Lembre-se novamente, estou falando a respeito dos problemas da vida. Não estou dizendo que, se seu carro quebrar, para você sentar-se em silêncio e ver claramente qual é o problema: o problema está claro, agora faça algo! Não é a questão de você simplesmente sentar-se debaixo de uma árvore e meditar e apenas de vez em quando abrir seus olhos e ver se seu problema foi resolvido ou não.

Isso não é um problema da vida, este é um problema mecânico. Se seu pneu estiver furado você terá que trocar a roda. Sentar-se não irá resolver. Basta levantar-se e trocar a roda. Isso nada tem a ver com sua mente e sua clareza. Tem a ver com a estrada. O que sua clareza pode fazer com a estrada? De outra forma, três mil meditadores aqui não poderiam consertar uma estrada? Apenas meditação seria o bastante!

Mas a questão é somente a respeito dos problemas da vida. Por exemplo, você sente ciúmes, raiva, está sentindo um tipo de inexpressividade. Você está de algum modo arrastando-se; você não sente mais que a vida tenha algum sabor. Estes são problemas da vida e surgem da sua falta de clareza mental. Pois falta de clareza é a fonte desse surgimento, claridade torna-se a dissolução dos problemas. Se você for claro, se puder ver claramente, o problema desaparecerá.

Você não tem que fazer nada a não ser isso. Basta ver, apenas observar todo o processo: Como surge o problema, como este se apossa de você, como você se torna completamente obscurecido por este, cego por ele; e como você começa a agir loucamente, do que irá arrepender-se mais tarde... Você depois se dá conta que isso foi pura insanidade, que: “Eu fiz isso apesar de mim mesmo. Eu nunca quis fazer isso, ainda assim o fiz. E mesmo quando estava fazendo-o, eu sabia que não queria fazê-lo”. Mas era como se eu estivesse possuído...

Osho: From Misery to Enlightenment, Chapter 20

Copyright © 2010 Osho International Foundation

Osho in Rio - Festival Osho + Um Workshop incrível

Após o sucesso e a grande magia do Osho Festival Internacional na Chapada dos Veadeiros - Goiás, temos a imensa alegria de anunciar que o Osho in Rio Festival aconteceu com amor e meditação, nas montanhas de Teresópolis, profundo e transformador para as pessoas que participaram. Acesse nosso flyer abaixo ou vá até nosso site www.oshobrasil.com clique em Osho in Rio e saiba mais.

 Msn: osho.brasil.brazil@hotmail.com 

 Skype: osho.brasil.brazil

Com amor,

Osho Information and Festival Center

O medo de comprometer-se - Osho

  “Eu não estou aqui para fazer de você um cordeiro. Você já tem sido cordeiro em demasia. Eu estou aqui para fazer de você um homem, uma mulher. Isto não vai ser fácil, mas você tem que começar a se tornar responsável pela sua própria vida. E uma vez que você se torna responsável por sua própria vida, você começará a crescer, porque não haverá mais sentido em perder tempo adiando ou esperando. Ninguém irá ajudá-lo. Toda espera é inútil, é puro desperdício.

     Por isto, se existe algum conflito, vá fundo nele. Decida alguma coisa. Somente através de decisões você fica cada vez mais cônscio, somente através de decisões você fica cada vez mais cristalizado, fica mais afiado. Do contrário a pessoa torna-se apática.

      As pessoas vão de um guru para outro, de um mestre a outro, de um templo a outro; não porque sejam grandes buscadoras, mas porque são incapazes de decidir. Assim elas ficam pulando de um para outro. Essa é a maneira delas evitar comprometerem-se.

      O mesmo acontece com outros relacionamentos humanos: um homem fica pulando de uma mulher para outra, vai mudando. As pessoas acham que ele é um grande amante; ele não é um amante de jeito algum. Ele está evitando, está tentando evitar algum envolvimento mais profundo porque em um envolvimento mais profundo os problemas precisam ser enfrentados, e ele irá passar por muito sofrimento. Assim a pessoa simplesmente joga seguro; a pessoa toma a decisão de nunca se envolver profundamente com alguém. Se você for muito fundo, pode não ser capaz de voltar facilmente. E se você for muito fundo com alguém, outra pessoa irá fundo com você também; é sempre proporcional. Se eu for muito fundo com você, a única maneira é permitir que você também vá fundo em mim. É um dar e receber, é um compartilhar.

     Então a pessoa pode ficar enrolada demais e será difícil escapar. O sofrimento pode ser grande.

     Assim as pessoas aprendem como jogar seguro: basta se encontrar superficialmente; um caso de amor do tipo bata e corra. Antes de ser agarrado, corra.

      Isso é o que está acontecendo no mundo moderno. As pessoas se tornaram tão imaturas, tão infantis; elas estão perdendo toda a maturidade. A maturidade chega somente quando você está pronto para enfrentar a dor de seu ser; maturidade chega somente quando você está pronto para aceitar o desafio. E não há um desafio maior que o amor.

      Viver feliz com outra pessoa é o maior desafio do mundo. É muito fácil viver pacificamente sozinho, é muito difícil viver pacificamente com outra pessoa, porque os dois mundos colidem, dois mundos se encontram... Mundos totalmente diferentes. Como é que eles são atraídos um pelo outro? Porque eles são totalmente diferentes, quase opostos, pólos opostos.

      É muito difícil ser pacífico num relacionamento, mas esse é o desafio. Se você fugir disso, fugirá da maturidade. Se você vai fundo nisso com toda a dor, e assim mesmo continua, então pouco a pouco a dor se torna uma bênção, a maldição se torna uma bênção. Pouco a pouco, através do conflito, surge a fricção, a cristalização. Através da luta você fica mais alerta, mais cônscio.

      O outro se torna como um espelho. Você pode ver sua feiúra nele. O outro provoca sua inconsciência, trazendo-a para a superfície. Você terá que conhecer todas as partes ocultas de seu ser e o caminho mais fácil é ser espelhado, refletido, num relacionamento. Mais fácil, digo assim, porque não há outra maneira, mas isso é difícil, árduo, porque você terá que mudar através disso.

      E quando você encontra um mestre, um desafio ainda maior se apresenta diante de si, pois terá que decidir e a decisão será por algo desconhecido. A decisão precisa ser total e absoluta, irreversível. Não é uma brincadeira de criança; é um ponto sem retorno.
 Eu ouvi contar:
'Senhora disse o doutor, 'Eu tenho que lhe dizer qe a senhora é a pessoa mais fedorenta, mais fedida, mais suja que eu já examinei em toda a minha vida!'
Eu gostei muito disso, disse a Sra. Greensberg. 'O doutor que eu fui consultar ontem disse a mesma coisa!'
1Então porque a senhora veio aqui?`
'Eu queria ter um segunda opinião!' Respondeu a Sra. Greenberg.

As pessoas vão coletando opiniões, termine com isso. Tenha coragem, você já tem suficientes opiniões consigo. Decida-se!
      Surgem muitos conflitos. Mas não continue mudando sempre, porque essa é a maneira de evitar a si próprio. E você irá permanecer mole, irá permanecer infantil. A maturidade não acontecerá a você.

     Somente o desconhecido deve atraí-lo porque você ainda não o viveu; ainda não andou por esse território. Mova-se! Algo de novo pode acontecer por lá. Sempre decida pelo desconhecido, seja qual for o risco, e você irá crescer continuamente. Mas, se continuar decidindo pelo conhecido, ficará se movendo repetidamente num círculo com o passado. Você prosseguirá repetindo-o; você se tornará como um gravador.

      Assim, decida. E quanto mais cedo você o fizer, melhor. Adiamento é simplesmente estupidez. Amanhã você terá que decidir também, então porque não hoje? E você acha que amanhã será mais sábio do que hoje? Acha que amanhã estará mais vivo que hoje? Você acha que amanhã estará mais jovem que hoje, mais renovado que hoje?

      Amanhã você estará mais velho, sua coragem será menor; amanhã você será mais experiente, sua esperteza será maior; amanhã a morte estará mais perto; você começará a dar sinais e a ficar mais assustado. Nunca adie para amanhã. E quem sabe? Amanhã pode chegar ou pode não chegar. Se você tem que decidir, é preciso decidir agora mesmo.”

Osho,
Dang Dang Doko Dang
Capítulo 8: Um Outro Domingo




Copyright © 2010      OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

Assumir o papel de terapeuta é perigoso

AMADO OSHO,
ASSUMIR O PAPEL DO TERAPEUTA É PERIGOSO PARA MEU CRESCIMENTO ESPIRITUAL? É POSSÍVEL AJUDAR AS PESSOAS E AINDA DEIXAR MEU PRÓPRIO EGO SE DISSOLVER AO MESMO TEMPO? EU SINTO QUE UMA LUTA SUTIL ACONTECE DENTRO DE MIM ENTRE UMA PARTE QUE É CLARA E OUTRA PARTE QUE NÃO QUER NADA COM A CLARIDADE. SOB SUA ORIENTAÇÃO EU APRENDI A NÃO DOMINAR AS PESSOAS QUANDO EU USO MINHA CAPACIDADE DE VER, MAS SERÁ QUE EU AINDA ESTOU DOMINANDO A MIM MESMA?

O papel do terapeuta é uma ocupação muito delicada e complexa. Primeiro, o próprio terapeuta sofre dos mesmos problemas que ele está tentando ajudar nos outros. O terapeuta é somente um técnico. Ele pode pretender e enganar a si mesmo que ele é um mestre - este é o maior perigo em ser terapeuta. Mas somente um pouco de entendimento e as coisas não serão as mesmas.   

Primeiro, não pense em termos de ajudar os outros. Isto lhe dá a idéia de ser um salvador, de ser um mestre - e pela porta de trás o ego entra novamente. Você se torna importante, você é o centro do grupo, todo mundo está olhando para você.   

Abandone a idéia de ajudar. Ao invés de ‘ajudar’ use a palavra ‘compartilhar’. Você compartilha o seu insight, seja o que for que você tenha. O participante não é alguém que é inferior a você. O terapeuta e o participante estão ambos no mesmo barco; o terapeuta é apenas um pouco mais informado. Esteja atento para o fato de que o seu conhecimento é emprestado. Nunca esqueça por nenhum momento que o que quer que você conheça ainda não é a sua experiência, e isto irá ajudar as pessoas que estão participando em seu grupo.   

O homem é um mecanismo muito sutil. Ele funciona em ambos os lados: o terapeuta começa se tornando o mestre e ao invés de estar ajudando ele está destruindo alguma coisa no participante, porque o participante também irá aprender somente a técnica. Não haverá uma amizade amorosa e de compartilhamento, uma atmosfera de confiança, mas: "Você sabe mais, eu sei menos... participando em alguns grupos terapêuticos eu também vou saber tanto quanto você sabe."   

Os participantes lenta, lentamente começam a se tornar eles mesmos terapeutas, porque nenhum diploma é requerido - pelo menos em muitos países. Em alguns países eles começaram a declarar ilegal todo tipo de terapias não aceitas; somente um homem que tem qualificação universitária em terapia, psicanálise, psicoterapia será permitido ajudar às pessoas em grupos de terapia.   

Isto vai acontecer em quase todos os países do mundo, porque a terapia se tornou um negócio e pessoas que não são qualificadas estão dominando-a. Eles conhecem a técnica, porque a técnica eles podem aprender; participando em alguns grupos eles conhecem todas as técnicas, então eles podem fazer uma mistura eles próprios. Mas não existe jeito de controlar...   

Mas lembre-se: no momento que você assume o papel daquele que ajuda, o ajudado nunca irá perdoá-lo. Você machucou o seu orgulho, você machucou o seu ego. Esta não era a sua intenção... a sua intenção era apenas de inflar o próprio ego, mas isto só pode acontecer se você machucar o ego das outras pessoas. Você não pode inflar o seu ego sem machucar os outros. Seu ego maior precisa de mais espaço e os outros têm que encolher seus espaços e suas personalidades para existir com você.   

Desde o começo seja uma pessoa amorosa autêntica... e eu faço isto um ponto absolutamente necessário porque não tem nada mais terapêutico do que o amor. A técnica pode ajudar, mas o milagre real acontece através do amor. Ame as pessoas que estão participando da terapia e seja um entre eles, com nenhuma pretensão de estar mais alto ou ser mais santo.   

Torne isto claro desde o começo: "Esta é a técnica que eu aprendi e um pouco é minha experiência. Eu vou dar-lhes a técnica e compartilhar a minha experiência. Mas vocês não são meus discípulos; vocês são apenas amigos com dificuldades. Eu tenho alguma compreensão, não muita, mas eu posso compartilhá-la com vocês. Talvez muitos de vocês tenham suas próprias compreensões vindas de diferentes áreas, diferentes direções. Vocês podem também compartilhar suas experiências e tornar o grupo mais rico."   

Em outras palavras, o que eu estou dizendo é um conceito totalmente novo de terapia. O terapeuta é somente um facilitador. Ele somente tenta fazer o grupo mais silencioso, sereno; ele dá uma olhada para que nada dê errado... é mais um guardião do que um mestre. E você tem que tornar isto claro também: "Eu estou também aprendendo enquanto estou tentando compartilhar a minha experiência. Quando eu estou escutando vocês, não é somente os seus problemas, eles são meus problemas também. E quando eu estou dizendo alguma coisa, eu não estou somente dizendo, eu estou escutando também."   

Enfaticamente torne claro que você não é alguém especial. Isto tem que ser feito no começo do grupo e isto tem que estar presente enquanto o grupo vai mais fundo, explorando. Você permanece somente um ancião, alguém que deu uns poucos passos à frente; de outro modo você não será capaz de ajudar às pessoas. Eles aprenderão a técnica e eles se tornarão terapeutas por si próprios. E existem loucos o suficiente - cinco bilhões de loucos - na terra; eles encontrarão seus próprios seguidores É uma fraqueza humana que quando as pessoas começam a consultá-lo, você começa a pensar: "Deve haver alguma coisa importante em mim se as pessoas estão me consultando". Eles estão com problemas, eles estão sofrendo das fragilidades humanas. Mas você também é humano, e errar é absolutamente humano. Sem nenhuma condenação, com grande amor, ajude-as a se abrirem para si mesmas - e isto só é possível se você próprio se abrir.   

Eu experienciei um fato esquisito: estranhos contam uns aos outros coisas que eles nunca poderiam dizer para as pessoas que eles conhecem. Em uma viagem de trem você encontra alguém; você não sabe o seu nome, você não sabe aonde ele está indo, de onde ele vem, e as pessoas começam a compartilhar. Eu viajei por vinte anos sem parar por todo o país, observando um estranho fenômeno - que as pessoas falam seus segredos para estranhos, porque o estranho não vai explorar isto. Daqui a pouco chega a próxima estação e o estranho se vai; talvez você nunca mais vai vê-lo novamente. E ele não está interessado em destruir sua reputação ou qualquer coisa. Pelo contrário, compartilhando os seus segredos, suas fraquezas, sua vulnerabilidade, toma o outro mais íntimo e mais amoroso e mais confiante em você. Sua confiança provoca a confiança dele em você e quando eles vêem você sendo tão inocente e tão aberto e disponível, eles começam a se abrir; é uma reação em cadeia...   

Mas um grupo de terapia não é o final. É somente o começo. É uma preparação para a meditação, assim como a meditação é uma preparação para a iluminação. Se você entende as coisas em sua aritmética básica, você não achará isto difícil - e você irá desfrutar mais o grupo, porque o grupo será capaz de ir mais fundo com você. Você não será apenas um professor no grupo; você também será um aprendiz. O profeta de Kahlil Gibran, al-Mustafa, tem uma bonita afirmação. Quando alguém pergunta: "Conte-nos alguma coisa sobre aprender", ele diz: "Porque vocês me perguntaram eu irei falar. Mas lembrem-se - eu estou falando e eu também estou ouvindo com vocês..."   

Ame as pessoas que se tornam participantes em seu grupo. Ame-as como elas são, não como elas deveriam ser. Elas sofreram toda a vida por causa de todos os tipos de líderes religiosos, políticos, sociais, teológicos, filosóficos que as amariam se elas os seguissem, que as amariam se elas se tornassem apenas imagens de acordo com as idéias deles. Eles vão amá-lo somente quando o tiverem matado completamente, quando o tiverem demolido e o reconstituído de acordo com as idéias deles. Isso serve também para os terapeutas que se dizem mestres, que querem manipular as pessoas.  

Todas as religiões fizeram isto com a humanidade. Ninguém foi deixado ileso. E estas pessoas têm pensando que estão ajudando, conscientemente. Elas lhe deram ideais, ideologias, princípios, mandamentos com uma certeza fixa de que querem lhe ajudar; de outra maneira você irá se perder. Elas não podem confiar na sua liberdade e não podem respeitar sua dignidade; elas o reduziram enormemente - e ninguém nem mesmo contesta...   

Eu estou lembrando da afirmação de um grande médico que é meu amigo. Eu não sei se ele ainda está vivo ou não, eu não soube nada sobre ele nestes últimos seis anos. Ele era o médico mais proeminente na cidade onde eu vivia antes de me mudar para Bombay e então para Poona. Ele disse para mim: “A experiência de toda a minha vida é que a função de um médico não é a cura do paciente. O paciente cura a si mesmo, o médico simplesmente dá uma atmosfera amorosa, promissora. O médico simplesmente dá a confiança e reanima o desejo de viver por mais tempo. Todos os seus medicamentos são de ajuda secundária.” Mas se uma pessoa perdeu o desejo de viver, toda a sua experiência de vida era de que nenhum medicamento, nada ajuda.   

A situação é a mesma para o terapeuta. O terapeuta não é a pessoa que irá curar os problemas psicológicos da pessoa. Ele pode somente criar uma atmosfera amorosa na qual elas podem abrir suas imaginações inconscientes reprimidas, repressões, alucinações e desejos sem nenhum medo de que os outros irão rir delas, com absoluta certeza de que todos irão sentir compaixão e amor por elas. O grupo inteiro deveria funcionar como uma situação terapêutica.   

O terapeuta é apenas um facilitador. Ele agrupa pessoas com distúrbios ou psicologicamente doentes e apenas olha para que nada saia errado. E se ele pode apoiá-las com alguma idéia, algum insight, alguma observação, ele deveria sempre tornar claro que: "Isto é apenas meu conhecimento, não é a minha experiência" - a menos que ele tenha a experiência.    Se você é sincero e honesto e verdadeiro e autêntico, você nunca irá cair na armadilha de se tornar um mestre, um salvador - na qual é muito simples cair. No momento que você se toma um mestre e um salvador - e você não é - você não está nem mesmo ajudando estas pessoas, você está simplesmente explorando estas pessoas, suas fraquezas, seus problemas.  

 Todo o movimento psicanalítico ao redor do mundo é o experimento mais explorador que está acontecendo. Ninguém está sendo ajudado; todo mundo está sendo explorado tremendamente. E ninguém está sendo ajudado porque o psicanalista, o psicoterapeuta...; a psicologia se bifurcou em muitos ramos, mas eles todos fazem o mesmo trabalho: eles o reduzem a um paciente e eles são os médicos.    E o problema é que eles mesmos estão sofrendo das mesmas doenças. Cada psicanalista vai a outro psicanalista aproximadamente duas vezes por ano para ser ajudado. É uma grande conspiração. Escutando todo o tipo de insanidade, a menos que você esteja além da mente e seus problemas, você mesmo irá se tornar insano. Você irá começar a sofrer dos mesmos problemas que seus pacientes estão sofrendo. Ao invés de você curá-los, eles o estão fazendo ficar doente. Mas a responsabilidade é sua.   

Traga amor, abertura, sinceridade... Antes deles começarem a abrir as portas de seus corações - eles estão mantendo-as hermeticamente fechadas de forma que ninguém saiba dos seus problemas - a primeira função do psicoterapeuta é abrir o seu coração e deixar que eles saibam que ele é tão humano quanto eles. Ele está sofrendo das mesmas fraquezas, da mesma luxúria, do mesmo desejo de poder, do mesmo desejo por dinheiro. Ele sofre de angústia e ansiedade, sofre do medo da morte.   

Abra o seu coração totalmente. Isto irá ajudar aos outros a confiar em você - que você não é um enganador. Os dias dos salvadores e profetas e mensageiros e tirthankaras e avatares já passaram completamente. Nenhum deles será aceito hoje. E neste momento, se algum deles reaparecer, as pessoas nem mesmo irão apedrejá-lo até a morte, as pessoas irão fazer piadas dele. As pessoas irão simplesmente lhe dizer: "Você é estúpido. A simples idéia de que você pode salvar toda a humanidade é maluca. Primeiro salve a si mesmo e nós iremos ver sua luz e nós iremos ver sua grandiosidade e nós iremos ver o seu esplendor."  

E a confiança vem por si própria. Não é para ser perdida. Ela vem como uma brisa fresca das montanhas, uma maré dos oceanos. Você não tem que fazer nada para ela vir. Você somente tem que estar disponível no momento certo, no lugar certo.Ninguém pode salvá-lo exceto você mesmo. Eu digo a vocês: Seja um salvador de si mesmo. Mas a ajuda é possível, com uma condição: que ela venha com amor, que ela venha com gratidão: "Você confiou em mim e abriu seu coração."   

A função do terapeuta é certamente muito complexa - e idiotas estão fazendo isto! A situação é quase como se açougueiros estivessem fazendo cirurgias; eles sabem como cortar, mas isto não significa que eles possam se tornar cirurgiões do cérebro. Eles podem matar búfalos e vacas e todos os tipos de animais, mas sua função está a serviço da morte. O terapeuta está a serviço da vida. Ele tem que criar valores afirmativos da vida vivendo-os ele mesmo, indo para os silêncios de seu coração.   

Quanto mais fundo você está dentro de você, mais fundo você pode atingir no coração do outro. É exatamente o mesmo... porque seu coração ou o coração do outro não são coisas muito diferentes. Se você entende o seu ser, você entende o ser de todo mundo. E então entende que você também tem sido louco, você também tem sido ignorante, você também falhou muitas vezes, você também cometeu crimes contra você mesmo e contra os outros e se outras pessoas ainda continuam fazendo isto não há necessidade de condenação. Eles devem ser alertados e deixados por si próprios; você não deve moldá-los em um certo padrão.   

Então é uma alegria ser um terapeuta, porque você chega a conhecer a interioridade dos seres humanos - que é um dos lugares secretos mais escondidos da vida. E conhecendo os outros você conhece a si mesmo mais. É um círculo vicioso; não existe nenhuma outra palavra - caso contrário eu não usaria a palavra ‘vicioso’. Permita-me cunhar uma palavra: é um círculo virtuoso. Você se abre para seus pacientes, participantes e eles se abrem para você. Isto lhe ajuda a se abrir mais e isto ajuda-os a se abrirem mais. Logo não existe terapeuta e não existe paciente, mas simplesmente um grupo amoroso ajudando uns aos outros.   

A menos que o terapeuta se perca no grupo, ele não é um terapeuta de sucesso. Este é o meu critério.    Você está dizendo: "Sob a sua orientação eu aprendi a não dominar as outras pessoas quando uso minha capacidade de ver, mas eu ainda estou dominando a mim mesmo?" Elas não são duas coisas. Dominação é dominação, se você domina os outros ou domina a si mesmo. Se você está dominando a si mesmo, então de algum modo sutil você irá dominar os outros também. Como pode ser de outro jeito?   

A primeira dominação que você tem que abandonar não é sobre os outros... porque não é certo que eles irão aceitar o seu domínio. A primeira dominação que você tem que abandonar é sobre você mesmo. Por que tornar a si mesmo um prisioneiro - com grande esforço criar uma prisão a sua volta - e então carregá-la aonde quer que você vá? Primeiro aprenda a total alegria da liberdade, de um pássaro voando no vasto céu. A sua própria liberdade se tomará uma força transformadora para os outros. A dominação é tão feia. Deixe isto para os políticos, que não têm nenhum senso de vergonha. Eles vivem nas sarjetas e eles pensam que estão vivendo em palácios. Toda a vida deles é uma vida nas sarjetas - eles irão viver lá e eles irão morrer lá. Eles são primeiros ministros, eles são presidentes, eles são reis, eles são rainhas...    Um dos mais significantes poetas egípcios foi questionado uma vez: "Quantos reis existem no mundo?" Naquele tempo... ele disse: "Existem somente cinco reis. Um está na Inglaterra e quatro estão nas cartas de baralho". Agora isto pode ser mudado: existem cinco rainhas, uma na Inglaterra e quatro nas cartas de baralho... Mas eles não têm mais nada. Eles estão somente tentando atingir mais e mais poder simplesmente para encher o seu interior que eles sentem que está vazio.   

Olhando do lado de fora, o interior está vazio. Olhando de dentro, o mundo todo está vazio. Somente o seu interior está transbordante, mas as coisas que estão transbordando são invisíveis: a fragrância de seu ser, o amor, o deleite, o êxtase, o silêncio, a compaixão - nada pode ser visto com os olhos. É por isto que quando você olha de fora parece que tudo está vazio. E então um grande desejo surge: Como preenchê-lo? - com dinheiro, com poder, com prestígio, se tornando um presidente ou primeiro ministro? Faça alguma coisa e preencha-o! Não se pode viver com um vazio dentro, um lado de dentro oco.   

Mas estas pessoas não foram para dentro; elas olharam de fora. E este é o problema: a partir de fora você pode ver apenas objetos e o amor não é um objeto, êxtase não é um objeto, iluminação não é um objeto, entendimento não é um objeto, sabedoria não é um objeto. Tudo que é grande na existência e na vida humana é subjetivo, não é objetivo. Mas de fora você só pode ver objetos. Isto cria uma tremenda urgência de preencher seu interior oco com qualquer lixo. Existem pessoas que estão preenchendo-o com conhecimento emprestado; existem pessoas que estão preenchendo-o com tortura auto-imposta - eles se tornam santos. Existem pessoas que estão mendigando para se tornarem primeiros ministros, se tornarem presidentes. Em toda a parte as pessoas ocas estão com uma necessidade tremenda de dominar os outros. Isto lhes dá a sensação de que não são ocos.   

Um sannyasin começa investigando a sua subjetividade, a partir de dentro, e ele se torna consciente de tremendos tesouros, inexauríveis tesouros. Somente então você pára de dominar a si mesmo e você pára de dominar os outros. Não existe necessidade disto. A partir deste momento todo o seu esforço é tornar todo mundo consciente de sua individualidade, de sua liberdade, de suas imensas e inexauríveis fontes de êxtase, contentamento, paz.   

Para mim, se a terapia prepara o terreno para a meditação, a terapia está indo certo... terreno para o paciente e terreno para o terapeuta, ambos. A terapia deveria se mover em um certo ponto para a meditação. A meditação move-se em um certo ponto para a iluminação. E ter este tremendo potencial e permanecer apenas um mendigo... eu me sinto tão triste algumas vezes quando penso nos outros. Eles não são mendigos, mas eles se comportam como se fossem mendigos e eles não estão prontos para abandonar sua mendicância - porque eles estão com medo que isto é tudo o que eles têm. E a menos que eles abandonem a sua mendicância, eles nunca saberão que eles são imperadores e seu império é do interior...   

Tente entender a si mesmo tão profundamente quanto possível. A terapia vem em segundo lugar. E a menos que você tenha refinado o seu ser através da meditação e silêncio... eu não estou dizendo, pare de trabalhar; eu estou dizendo, transforme a sua qualidade. Torne-o um trabalho real. Abra o seu coração, conte a eles as suas fraquezas, conte a eles os seus problemas, peça os seus conselhos - eles podem lhe ajudar? E uma vez que os participantes entendam que o terapeuta não é um egoísta, eles virão com absoluta humildade, abrindo os seus corações. Então você pode ajudá-los.   

Mas sempre e sempre se lembre: a terapia em si mesma é incompleta. Mesmo a terapia perfeita é somente o primeiro passo. Sem o segundo passo ela é sem sentido.    Assim deixe os pacientes no ponto em que eles começam a se mover em direção à meditação. Sua terapia está completa somente quando seus pacientes começarem a perguntar sobre meditação. Crie um grande desejo em seus corações pela meditação, e diga-lhes que a meditação é também somente um passo - o segundo passo. Em si mesma também não é suficiente, a menos que ela o guie para a iluminação; esta é a culminação de todo o esforço. E eu confio em você, que você é capaz disto.  

Um judeu de Odessa estava sentado no mesmo compartimento que um oficial do czar russo que tinha um porco consigo. Para aborrecer o judeu, o oficial começou a chamar o porco de Moishe. Moishe! Fique quieto! Moishe! Venha aqui! Moishe! Vá lá!    Isto continuou por todo o caminho para Kiev. Eventualmente o judeu se aborreceu e disse:
 "Você sabe, capitão, é uma grande vergonha seu porco ter um nome judeu."   
"Mas por quê?" sorriu maliciosamente o oficial.  
 "Bem, de outro modo ele poderia ter se tornado um oficial no exército do czar."
  
 Existe um limite para tudo!    Faça disto uma marca que o limite da terapia é onde a meditação começa e o limite da meditação é onde a iluminação começa. Naturalmente, a iluminação não é um passo para nada: você simplesmente desaparece na consciência universal, você apenas se torna uma gota de orvalho escorregando da folha de lótus para o oceano. Mas ela é uma grande experiência. Isto torna a vida finalmente significativa, significante. Ela lhe permite se tornar parte do universo do qual o seu ego o separou.   

Você apenas tem que se mover na direção correta. Uma sensação de direção correta e tudo pode se tornar um trampolim em direção aos estados mais altos da consciência. Eu utilizei tudo, mas a direção é a mesma. Eu usei muitos tipos de meditação. Na periferia eles parecem diferentes. Existem cento e doze métodos de meditação: eles parecem muito diferentes uns dos outros e você pode pensar: "Como pode todos estes diferentes métodos levar à meditação?"   

Mas eles levam... assim como um fio unindo uma grinalda de flores não é visto, você vê somente as flores, estas cento e doze flores têm um fio unificador: este fio é o testemunhar, olhar, observar, estar atento.   

Assim ajude os participantes de sua terapia tanto quanto você possa para entender os seus problemas, mas deixe claro que mesmo que esses problemas sejam resolvidos, você é a mesma pessoa. Amanha você irá começar a criar os mesmos problemas novamente - talvez de diferentes maneiras, com uma cor diferente. Assim a sua terapia não deveria se tornar nada mais que uma abertura para a meditação. Então a sua terapia tem um tremendo valor. Caso contrário é somente um jogo mental.

Osho.
The Great Pilgrimage: From Here to Here
Chapter #14 Question 1
Chapter title: A very delicate and complex affair

Copyright © 2010      OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation

Em qual ponto a catarse deve ser abandonada? Osho

Ela cai por si mesmo quando exaurida. Não há necessidade de abandoná-la. Aos poucos você irá sentir que não há mais energia nisso. Aos poucos você notará que está fazendo catarse, mas são somente gestos vazios, a energia não está ali. De fato, você está só fingindo fazê-la, representando, não está acontecendo. Sempre que perceber que não está acontecendo e você precisa forçá-la, está já caiu.

Quando está com raiva, como você sabe que a raiva desapareceu? Quando você se sente sexual, como você sabe que a sexualidade passou? Pois a energia do pensamento não está mais aí. O pensamento pode permanecer mas a energia não está mais ali; é uma coisa vazia. Você estava com raiva poucos minutos antes: agora, seu rosto pode ainda estar um pouco zangado, mas bem no fundo você agora sabe que não há mais raiva, a energia moveu-se.

O mesmo irá acontecer na catarse. Você está fazendo catarse; esta é um fenômeno energético. Muitas emoções estão suprimidas: estas são desenroladas, vão surgindo, borbulhando. Então há muita energia. Você está gritando – há energia – e após a gritaria você sente-se aliviado, como se um peso tivesse desaparecido. Você se sente leve; mais à vontade, acalmado. Mas se não houver nenhuma emoção reprimida, então você pode fazer a demonstração, mas depois disso se sentira cansado pois você esteve desnecessariamente desperdiçando energia. Não havia nenhuma emoção reprimida. Nada estava surgindo e você esteve inutilmente saltando e gritando; você ficará cansado.

Se a catarse for verdadeira, você se sentirá rejuvenescido depois; se for falsa, você se sentirá cansado. Se a catarse era verdadeira você irá se sentir bem muito vivo depois, mais jovem do que antes, como se alguns anos tivessem desaparecido. Você tinha trinta anos, agora tem vinte e oito ou vinte e cinco anos. Um peso desapareceu: você está mais jovem, mais vivo, mais renovado. Mas se você estiver apenas fazendo os gestos, se sentirá cansado. Você tinha trinta; se sentirá com trinta e cinco anos... de idade.

Você precisa observar. Ninguém mais pode dizer o que está acontecendo dentro de você. Você precisa ser um observador. Observar continuamente o que está acontecendo. Não fique fingindo... pois catarse não é uma meta; é somente um meio. Um dia tem que ser abandonada. Não prossiga carregando-a. Ela é apenas como um barco, um ferry-baoat: você cruza a corrente e depois você esquece, não carrega isso na sua cabeça.

Lembre-se, catarse pode tornar-se sua obsessão. Você pode continuar fazendo-a, e depois ela pode tornar-se um hábito, um padrão. Esta não pode ser feita um padrão. A que ponto a catarse deve ser deixada? Ela cai por si mesma. Você simplesmente permanece alerta e observa isso. E quando ela quiser cair, não se apegue a ela, deixe-a cair.

Osho: Yoga: The Alpha and Omega, Vol 5, Chapter 10


Copyright © 2010 Osho International Foundation

Confiança - Osho

Preciso confiar tanto, eu quero especialmente ser capaz de confiar em você, e sofro porque não consigo.

As pessoas que confiam nelas mesmas podem confiar nos outros. Pessoas que não confiam em si mesmas não podem confiar em ninguém. A confiança surge da autoconfiança. Se você for desconfiado de si mesmo, então você não pode confiar em mim; você não pode confiar em ninguém. Se você não confia em si mesmo, como pode confiar em sua confiança? Isso vai ser sua confiança. Pode ser que você confie em mim, mas é sua confiança: Você confia em mim e não confia em si mesmo. Então não é uma questão sobre mim, é uma profunda questão sobre você mesmo.

Quem são essas pessoas que não podem confiar em si mesmas? Alguma coisa deu errado em algum lugar. Primeiro, essas são pessoas que não têm uma imagem muito boa de si mesmas; elas são condenatórias com elas mesmas. Elas sempre se sentem culpadas e sempre se acham erradas. São sempre defensivas e sempre tentando provar que não estão erradas, mas no fundo elas sentem que estão erradas. Essas são as pessoas que perderam, de algum modo, uma atmosfera amorosa.

Psicólogos dizem que a pessoa que não pode confiar em si mesma está fadada a ter algum problema profundamente enraizado com a mãe. O relacionamento mãe-filho em alguma parte não aconteceu como devia. Porque a mãe é a primeira pessoa na experiência da criança; se a mãe confiar na criança, se a mãe amar a criança, ela começa amar e aconfiar na mãe. Através da mãe a criança se torna ciente do mundo. Amãe é a janela por onde ela entra na existência.


Aos poucos, se existir um belo relacionamento entre a criança e a mãe, uma resposta, uma profunda sensibilidade, uma profunda transferência de energia, um florescimento... então a criança começa a confiar nos outros também. Porque ela sabe que a primeira experiência foi bonita, não há nenhuma razão para pensar que a segunda não vai ser bela. Há toda razão para acreditar que o mundo é bom.

Se na sua infância havia um profundo ambiente de amor ao seu redor,você se tornará religioso, confiança irá surgir. Você irá confiar, confiança se tornará sua qualidade natural. Normalmente, você não desconfia de ninguém a menos que alguém tente muito criar desconfiança em você; só então você irá desconfiar. Mas desconfiança será excepcional. Um homem lhe engana e tenta muito destruir sua confiança. Pode ser que a confiança nesse homem seja destruída, mas você não irácomeçar a desconfiar de toda a humanidade. Você dirá, “Esse é um homem e existem milhões de homens. Só por causa de um homem, porque desconfiar de todos?”

Contudo, se a confiança básica estiver faltando e alguma coisa deu errado entre você e sua mãe, então a desconfiança se torna sua qualidade básica. Dessa maneira, ordinariamente, naturalmente, você desconfia. Não há necessidade de ninguém provar. Você desconfia do homem e assim se alguém deseja que você confie nele, ele terá que trabalhar duro, muito duro. E mesmo assim, você irá confiar nele condicionalmente. E ainda assim, essa confiança não será muito compreensiva. Ela será muito estreita; será flechada numa pessoa. Esse é o problema.

Nos tempos antigos as pessoas eram muito confiantes. Shraddha, confiança, era uma qualidade simples. Não havia necessidade de cultivá-la. De fato, se alguém queria tornar-se um grande cético, duvidoso, então grande treino era necessário, grande condicionamento era necessário. As pessoas eram simplesmente confiantes porque os relacionamentos amorosos eram muito, muito profundos. No mundo moderno o amor desapareceu e confiar não é nada senão o clímax do amor, o creme do amor. O amor desapareceu. As crianças nascem em famílias onde o pai e a mãe não amam. As crianças nascem; a mãe não se importa, nãose interessa sobre o que acontece a elas. As mulheres estão evitando ter filhos, e quando eles acontecem, parece como que um acidente. E há uma atitude profundamente negativa; a criança é envenenada desde o princípio. Ela não pode confiar na mãe.

Uma filosofia não nasce inesperadamente. Uma filosofia vem da sua própria existência, da sua própria experiência. Se a criança esteve em profundo amor com a mãe e a mãe demonstrou seu amor, esse é o princípio de toda confiança para o futuro. Então a criança terá mais relacionamentos amorosos com mulheres, terá mais relacionamento samorosos com amigos, um dia será capaz de render-se a um mestre, e finalmente, será capaz de dissolver-se completamente na existência. Mas se o elo básico for perdido então a fundação está faltando. Desse modo,você tenta duramente, mas isso se torna cada vez mais difícil. Isso é o que sinto com relação ao questionador.

“Preciso tanto confiar”... sim, porque confiança é alimento. Sem confiança você permanece faminto, permanece subnutrido. Confiança é o alimento mais sutil da vida. Se você não confiar não pode realmente viver. Você está sempre com medo, você está cercado pela morte, não pela vida. Com grande confiança íntima, toda a visão se altera. Assim você está em casa e não há nenhum conflito. Dessa maneira você não é nenhum estranho no mundo. Não é um alienígena, não é um estrangeiro.Você pertence ao mundo, o mundo lhe pertence. O mundo é feliz que você seja; o mundo está lhe protegendo. Esse sentimento de profunda proteção dá coragem, e dá coragem para mover-se nos caminhos desconhecidos.

Quando a mãe está em casa a criança tem coragem. Você já observou isso? Ela pode sair para a rua, ela pode passear pelo jardim e pode fazer mil e uma coisas. Quando a mãe não está presente ela simplesmente fica sentada dentro de casa, ela fica assustada. Não pode sair; a proteção não está lá, a aura protetora não está presente. A atmosfera é totalmente alienígena.

Se você viveu uma infância de uma profunda chuva de amor e confiança sobre você, você adquire uma bela auto-imagem sobre si mesmo. E se seus pais estiveram realmente em profundo amor um com o outro e foram muito felizes com você porque você foi a culminação do amor deles, o crescendo do amor deles, a realização do amor deles; se eles estavam profundamente apaixonados, então você é a canção que nasceu do amor deles. Você é a prova, a evidência que eles amavam um ao outro. Você é criação deles: eles se sentem felizes com você, eles lhe aceitam e lhe aceitam do jeito que você é. Mesmo quando tentam lhe ajudar, eles tentam de uma maneira muito amorosa. Mesmo quando eles dizem alguma vez, “Não faça isso”, Você não fica ofendido e não se sente insultado. De fato, você se sente protegido.

Mas quando o amor está ausente e o pai e a mãe continuam dizendo, “Não faça isso”, e “Faça assim”, aos poucos a criança começa aprender que,“Não sou aceita como sou. Se faço certas coisas, sou amada. Se nãofaço certas coisas, não sou amada. Se faço algumas outras coisas, sou odiada”.

Assim ele começa a encolher. Seu puro ser não é aceito e amado. O amor é condicional; a confiança é perdida. Então ele nunca será capaz deter uma bela auto-imagem. Porque são os olhos da mãe que lhe refletem pela primeira vez, e se você puder ver felicidade lá, uma alegria, uma emoção, um grande êxtase apenas lhe observando, você sabe que você é valioso, você sabe que tem um valor intrínseco. Assim é muito fácil confiar, muito fácil render-se, porque você não está assustado. Mas se você souber que está errado, então você está sempre tentando provar que está certo.

As pessoas se tornam controvertidas. Todas as pessoas controvertidas são pessoas que não possuem uma boa imagem de si mesmas. Elas são muito defensivas, muito melindrosas. Se houver alguma pessoa controvertida e você disser que, “Isso você fez errado”, ela imediatamente salta sobre você, fica muito zangada. Ela não pode nem mesmo aceitar uma pequena crítica amistosa. Mas se ela tiver uma boa imagem de si mesma, ela estará pronta para ouvir, pronta para aprender, pronta para respeitar a opinião dos outros. Pode ser que estejam certos, e mesmo que eles estejam certos e ela errada, ela não está preocupada porque isso não importa. Ela permanece boa a seus próprios olhos.

As pessoas são melindrosas. Elas não querem ser criticadas, não querem que alguém as diga para fazer isso, para não fazer aquilo. E essas pessoas pensam que não podem render-se porque elas são muito poderosas. Elas são apenas doentes, neuróticas. Só um homem ou uma mulher poderosa pode render-se – os débeis, nunca. Porque na rendição acham que a fraqueza delas será revelada para o mundo todo.

Elas sabem que são débeis, conhecem seu complexo de inferioridade, assim elas não podem curvar-se. É muito difícil para elas, porque se curvar será aceitar que são inferiores. Só uma pessoa superior pode curvar-se, pessoas inferiores nunca podem. Elas não podem respeitar ninguém porque não respeitam a si próprias. Não sabem o que é respeitoe estão sempre com medo de render-se porque rendição significa fraqueza para elas.

Portanto se você sentir que é difícil confiar, então você tem que regressar. Você tem que escavar fundo nas suas memórias. Você preci sair ao seu passado. Você precisa limpar sua mente das impressões do passado. Você deve estar tendo uma grande pilha de lixo de seu passado; descarregue-o. Essa é a chave para fazer isso: se você puder regressar não apenas como memória, mas como um reviver.

Faça disso uma meditação. Todo dia, à noite, por uma hora, apenas regresse. Tente descobrir tudo que aconteceu na sua infância. Quanto mais fundo você for melhor – porque estamos escondendo muitas coisas que aconteceram, mas não permitimos que elas borbulhem na consciência. Deixe que elas venham à tona. Indo todos os dias, você irá sentir cada vez mais profundo. Primeiro você se  lembrará de algum lugar onde você estava na idade de quatro ou cinco anos e você não será capaz de ir além disso. Subitamente, você se defrontará com um muro da China. Mas prossiga. Aos poucos, você verá que está indo cada vez mais fundo:três anos, dois anos.

As pessoas chegaram a ponto de regressar até onde elas nasceram do útero. Existem pessoas que alcançaram as memórias do útero e pessoas que foram além do útero, para dentro da outra vida quando morreram. Mas se você puder alcançar o ponto de onde você nasceu e puder reviver esse momento, isso será uma profunda agonia, dor. Você irá quase sentir como se estivesse nascendo novamente. Você pode gritar como a criança gritou pela primeira vez. Você se sentirá sufocado como a criança se sentiu sufocada quando pela primeira vez ela ficou fora doútero – porque por alguns segundos ela não era capaz de respirar.Havia muito sufoco: então ela gritou e a respiração veio, e a passagem dela ficou aberta, seus pulmões começaram a funcionar. Você pode precisar ir até esse ponto.

De lá você retorna. Vá e volte novamente, cada noite. Isso levará pelo menos de três a nove meses e a cada dia você se sentirá mais aliviado,mais e mais aliviado, e a confiança irá surgir simultaneamente, ao lado. Uma vez que o passado foi limpo e você viu tudo que aconteceu,você fica livre disso. Essa é a chave: se você se torna ciente de qualquer coisa na sua memória, você se liberta disso. Consciência libera, inconsciência gera uma servidão. Desse modo a confiança se tornará possível.

Os psicólogos descobriram isso – que o amor é comida. Apenas há vinte anos atrás, se alguém dissesse que o amor era uma vitalidade sutil, então os cientistas dariam risadas. Eles pensariam, “Você é um poeta, vive em ilusões e em sonhos. Amor e comida? – tudo bobagem”. Mas agora pesquisas cientificas dizem, “Amor é alimento”. Quando o alimento édado para uma criança, isso nutre o corpo dela; e se não for dado amor, então a alma dela não é alimentada. Sua alma permanece imatura. Agora existem meios de medir se a criança está sendo amada ou não, seo calor que ela necessita está sendo dado a ela ou não. Você pode fornecer a criança todo o alimento que ela necessita, todos os cuidados médicos que ela precisa, num hospital. Apenas remova a mãe, elhe dê leite, remédios, cuidados, tudo, mas não a abrace, não a beije,não a toque.

Muitos experimentos foram feitos. A criança, aos poucos, começa a encolher nela mesma. Ela fica doente, e na maioria dos casos morre, por nenhuma razão visível. Ou, se ela sobreviver, ela sobrevive no mínimo: ela se torna um imbecil, um idiota. Ela irá viver, mas irá viver no limite. Ela nunca será aprofunda na vida, não possui nenhuma energia. Abraçar a criança, dar o calor de seu corpo para ela é alimento, um alimento bem sutil. Agora isso está sendo, aos poucos, reconhecido.

Deixe-me fazer uma predição para vocês: daqui a vinte ou trinta anos, os psicólogos chegarão a revelar que confiança é até mesmo alimento mais elevado, de grande potência – mais elevado que o amor... Como oração. Confiança é devoção, mas é muito sutil. Você pode sentir isso.Se você tiver confiança, você subitamente verá que comigo você está indo numa grande aventura, e sua vida começa a mudar imediatamente. Se você não tiver confiança, você vai ficar parado lá. Eu continuo falando, continuo lhe puxando; você está travado – de alguma maneira você continua me perdendo. Deixe sua confiança surgir. Essa confiança será uma ponte entre eu e você. Dessa forma, palavras ordinárias se tornam luminosas, assim minha presença pode tornar-se um útero, e você pode renascer.

Aqueles que confiam porque estão com medo, porque querem alguém em quem se apoiar, a quem se apegar, eles estão assustados e querem a mão de alguém, eles olham para o céu e oram a Deus apenas para se sentirem seguros. Você já observou? Às vezes passando por uma rua escura ànoite você começa a assoviar, ou a cantar – não que isso irá ajudar. Mas ajuda de certa maneira. Cantando, você fica mais aquecido. Cantando, você fica ocupado, o medo é reprimido. Assoviando, você começa a se sentir bem. Você esquece que está no escuro e que isso é perigoso, mas isso não faz uma real diferença na realidade. Se houver medo e perigo ainda está lá. De fato, é até maior, porque uma pessoa que está ocupada em cantar pode ser roubada mais facilmente porque estará menos alerta. Ela será menos cautelosa enquanto assoviando. Ela está criando a ilusão ao redor dela assoviando. Se sua confiança surgedo medo, melhor não ter essa confiança. Ela é falsa.

Ouvi contar...

Mulla Nasrudin sentou na cadeira do barbeiro e perguntou, “Onde está o barbeiro que costumava trabalhar nessa cadeira?”“Oh, esse foi um caso triste”, o barbeiro disse. “Ele ficou tão nervoso e desanimado com o pobre negócio, que um dia quando um cliente disse que não queria uma massagem, ele ficou fora de si e cortou a garganta do cliente com uma lâmina. Ele agora está no hospital psiquiátrico do estado. A propósito, você gostaria de uma massagem, senhor?”“Absolutamente!” disse Mulla Nasrudin.

Com medo você pode dizer ‘absolutamente’, mas isso não será confiança. A confiança nasce do amor, e se você descobre que não pode confiar, então você precisa trabalhar duro. Você tem um passado bastante sobrecarregado, erradamente sobrecarregado. Você precisa limpá-lo, clareá-lo.


Osho, Extraído de: The Beloved


Copyright © 2010 Osho International Foundation

Coragem, arrisque-se, saia da semente...

“A semente não pode saber o que lhe vai acontecer, a semente jamais conheceu a flor. E a semente não pode nem mesmo acreditar que traga em si a pontecialidade para transformar-se em uma bela flor. Longa é a jornada, e sempre será mais seguro não entrar nessa jornada, por que o percurso é desconhecido, e nada é garantido. Nada pode ser garantido. Mil e uma são as incertezas da jornada, muitos são os imprevistos – e a semente sente-se em segurança, escondida no interior de um caroço resistente. Ainda assim ela arrisca, esforça-se; desfaz sua carapaça dura que é a sua segurança, e começa a mover-se. A luta começa no mesmo momento: a batalha com o solo, com as pedras, com a rocha. A semente era muito resistente, mas a plantinha será muito, muito delicada, e os perigos serão muitos.
Não havia perigo para a semente, a semente poderia ter sobrevivido por milênios, mas para a plantinha os perigos são muitos. O brotinho lança-se, porém, ao desconhecido, em direção ao sol, em direção à fonte de luz, sem saber para onde, sem saber por que. Enorme é a cruz a ser carregada, mas a semente está tomada por um sonho, e segue em frente.
Semelhante é o caminho para o homem. É árduo. Muita coragem será necessária.”

OSHO, Dang Dang Doko Dang, capítulo 4

Arrisque-se, saia da semente, não tenha medo de crescer. Participe do Osho in Rio, um evento de meditação, arte e dança com padrões internacionais mais um workshop de crescimento com o tema Coragem, aprenda a viver perigosamente, arriscando-se a ser livre. Acesse http://www.oshobrasil.com/ clique em Osho in Rio e faça agora mesmo a sua inscrição, vagas limitadas.
Com amor,
Osho Information and Festival Center

Permita-se dançar, fluir, sorrir... OSHO

Tanto quanto eu saiba, dançar e rir
são as portas mais facilmente acessíveis,naturais e melhores.
Se você realmente dança,
o pensamento pára.
Você continua e continua,
você gira e gira e se torna um vórtice, todas as fronteiras,
todas as divisões são perdidas.
Você nem mesmo sabe onde o corpo termina e onde a existência começa.
Você se funde na existência e a existência se funde em você;
E se você está realmente dançando,
não dirigindo, amas permitindo que ela o dirija,
permitindo-a possuí-lo, se você é possuído pela dança, os pensamentos param.
E se você conhece alguns momentos de não-mente,
esses vislumbres lhe prometerão muito mais recompensas que vão chegar.
Você apenas tem que se tornar mais e mais do jeito,da qualidade, da não-mente.
Mais e mais os pensamentos têm que ser abandonados.
O riso pode ser uma bela introdução para o estado de não-pensamento..."

Copyright © 2010   -   OSHO é uma marca registrada da Osho International Foundation
 "No primeiro ano de casamento, o homem fala e a mulher escuta. No segundo ano, a mulher fala e o homem escuta. No terceiro ano ambos falam e os vizinhos escutam."


...- Mullah Nasruddin.

‎"In the first year of marriage,the man speaks and the woman listens. In the second year, the womanspeaks and the man listens. In the third year, they both speak andthe neighbors listen."

...- Mullah Nasruddin.